Você está aqui:
Barroso comemora 70 anos de emancipação político-administrativa; Conheça essa jornada histórica

Barroso comemora 70 anos de emancipação político-administrativa; Conheça essa jornada histórica

No ano de 1729, Antônio da Costa Nogueira estabeleceu a Fazenda do Barroso, dando início a uma rica história na região. O português se destacou ao construir uma capela dedicada a Senhora Sant’Ana. No século XIX, a fazenda passou para as mãos do capitão José Francisco Pires, pai de 13 filhos, entre eles Francisco Antônio Pires, que doa as terras da fazenda do Barroso para a Sant’Ana em 1860 , dando início ao surgimento do centro da cidade, a partir daí foram desencadeadas uma série de eventos após sua morte em 1835, incluindo a chegada da estrada de ferro em 1879, impulsionando o progresso.

O arraial, que recebeu o nome “Barroso” em referência à histórica fazenda do Barroso, teve sua formação nas imediações do Patrimônio de Sant’Ana, com atividades agrícolas predominantes até a década de 1950, quando tomou novos rumos com a construção da fábrica de cimento, resultando em um aumento populacional significativo.

MARCAS HISTÓRICAS ATÉ A EMANCIPAÇÃO

Antes de 1953, Barroso era um distrito subordinado a outras cidades da região, como Barbacena (1824-1890), Prados (1890-1892), Tiradentes (1892-1938) e Dores de Campos (1938-1953). O distrito testemunhou eventos notáveis como a visita de Dom Pedro I em 1831 e a inauguração da estação de Barroso da Estrada de Ferro Oeste de Minas, com a presença de Dom Pedro II em 1881.

Em 1953, Barroso tornou-se um município autônomo, após um processo de emancipação que contou com o apoio de figuras ilustres como Tancredo de Almeida Neves e Juscelino Kubitschek. A sua Comissão Emancipadora foi composta por Silvano Albertoni, José Pio de Souza, José da Silva Pinto, José Augusto de Souza, Epifânio Barbosa, Brasilino dos Reis Melo, e o presidente Geraldo Napoleão de Souza que desempenhou um papel vital nesse marco histórico.

PREFEITOS DA NOSSA HISTÓRIA

Ao longo das décadas, Barroso construiu uma rica história, marcada por esforços dedicados de líderes com visão, culminando na celebração dos 70 anos. Os prefeitos que moldaram a cidade foram:

– Geraldo Napoleão de Souza (1955 a 1959)

– João Alves de Macedo Couto (1959 a 1963)

– Inimá Rodrigues Pereira (1963 a 1967)

– Genésio Graçano (1967 a 1971 | 1973 a 1977)

– Baldonedo Arthur Napoleão (1971 a 1973 | 1983 a 1988 | 1993)

– José Bernardo Meneghin (1977 a 1983 | 1989 a 1992 | 1997 a 2000)

– Adelmo Ferreira Graçano (1993 a 1996)

– Eika Oka de Melo (2001 a 2004 | 2009 a 2012 | 2013 a 2016)

– Arnaud Baldonero Napoleão (2005 a 2008 | 2009)

– Reinaldo Aparecida Fonseca (2017 a 2020)

– Anderson Geraldo de Paula (2021 a 2024)

VALORIZAÇÃO DOS SÍMBOLOS DE UM POVO

Em meio a toda essa história pra lá de especial, Barroso também teve a criação de símbolos oficiais como Brasão e Bandeira durante a primeira gestão do Ex-Prefeito Baldonedo Arthur Napoleão em 1971, e o Hino composto pelo poeta e professor Paulo Terra em 1968, desempenhando papel crucial na identidade, coesão e orgulho local.

Na contagem regressiva para o aniversário de 70 anos de emancipação, no próximo dia 8 de dezembro, às 19h, a Praça Gustavo Meireles será reinaugurada, onde no passado foi erguido um obelisco reconhecido como mais um símbolo marcante desta emancipação político-administrativa.

Que este momento de celebração e renovação seja também uma reflexão sobre o futuro de nossa querida Barroso, mantendo o trabalho conjunto para garantir um destino brilhante, com mais progresso, oportunidades e qualidade de vida para todos. Parabéns, Barroso, pelos 70 anos de história, cultura e crescimento!

Por: Departamento de Jornalismo – Liberdade FM Barroso-MG

Informações: Prefeitura Municipal de Barroso/ Eustáquio Silva/ Wellington Tibério

Compartilhe essa notícia!

Receba nossas Notícias

Preencha os campos abaixo para receber Notícias, Promoções e Dicas em primeira mão no seu WhatsApp e E-mail.
Ao pressionar o botão "Quero Receber", você confirma que leu nossa Política de Privacidade.